quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A luz ficou pra trás...


Acabaram as provas da faculdade. Finalmente vou poder voltar a debater o que acontece de mais importante no dia a dia com vocês. Já estava com saudades de analisar o cotidiano. As últimas duas semanas foram muito puxadas e acabei não tendo tempo de escrever. Muitas coisas dignas de nota aconteceram nesses dias e, na medida do possível, vou tentar falar de algumas aqui.
Talvez pouca gente tenha ficado sabendo de uma descoberta do Cern, Conselho Europeu para a pesquisa Nuclear, mas pra mim foi uma das notícias mais bombásticas dos últimos tempos. Há mais de cem anos, Einstein publicou a Teoria da Relatividade e estabeleceu as leis que regem a física moderna. Uma dessas “certezas” científicas é que nada no universo pode ser mais rápido que a luz. Bom, isso até outro dia.
O estudo identificou que neutrinos viajaram os 723 km entre Genebra e Gran Sasso 60 bilionésimos de segundo mais rápido que a luz. Para nós, leigos, parece pouco, mas cientificamente é uma revolução. A pesquisa será reavaliada pela comunidade científica internacional, mas já está sendo considerada a maior descoberta dos últimos cem anos.
Um dos maiores devaneios da ficção pode estar perto de se tornar fisicamente possível. Na teoria, movendo-se mais rápido que a luz, podemos viajar no tempo. A vida real se aproxima do cinema de novo. Não sei se isso é realmente possível, mas a nova descoberta põe por terra um dos alicerces da ciência moderna. Traduzindo, significa que toda a física que estudamos até hoje pode não valer de nada. Mais uma vez, a ciência precisa descer do seu pedestal e aceitar que as provas científicas, na verdade, não provam nada.
Parafraseando o próprio Einstein, “Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário”.

André Salles

Um comentário:

  1. Fico muito feliz que você possa ter voltado a escrever aqui André, gosto muito dos seus textos.
    Sempre leio coisas sobre o CERN com muito entusiasmo. Para mim aquele colisor de partículas, bem como todas as pesquisas realizadas pelo instituto ainda têm muitas surpresas a oferecer pra ciência, e essa não deixa de ser uma muito agradável.
    Só em pensar que um dos primeiros passos para um estudo concreto sobre a relatividade foi dado, assim como a propulsão de uma partícula a uma velocidade superior à da luz, e quais as portas que isso abrirá para futuras tecnologias, minha imaginação voa longe com viagens no tempo, naves espaciais cruzando o espaço em velocidades inacreditáveis, dentre muitas outras coisas que se vê nas histórias de ficção científica.

    Adorei o texto e a informação, continue assim meu caro!

    ResponderExcluir